Bússola

Aos poucos o mundo virtual tem perdido a graça. O prazer de passar horas conversando e descobrindo coisas nas redes sociais está simplesmente se dissipando. E devagar, o meu anseio pela vida lá fora me chama, ouço a vida me chamando, como um sussurro, que gradativamente vai aumentando o seu som. A vontade de sair mundo a fora e descobrir tudo com os meus próprios olhos se aflora.

É como se existisse um novo eu, aqui dentro de mim, louco para sair e se aventurar. Mas, no meio de tantos sentimentos existem também questionamentos. Indecisões. Algo me para e me impede de ir em frente. E o que me aflige é apenas o não saber por onde começar. Qual esquina da vida pegar. Que direção tomar. Será que alguém poderia me dar alguma sugestão?

Sinto-me perdida por aqui. Olho para todos os lados e não consigo ter certeza de nada. Alguém tem uma bússola por aí? Tô precisando. Pode ser um mapa também, pra ser sincera, pode ser qualquer coisa que me dê uma direção certa. Algo que me guie. Pode ser Você.

O que eu serei?

Continuo aqui. Sozinha. Sigo o meu caminho, quase sempre sem olhar para trás. Às vezes, penso em você e bate aquela saudade. Gostaria que tivéssemos tido mais tempo juntos, mais momentos únicos, mais histórias incríveis. Porém, me contento com o que tenho, afinal pelo menos eu tenho do que me lembrar, certo?


Queria que você tivesse me conhecido mais, descoberto alguns dos meus segredos e ouvido sobre os meus sonhos. Queria que você tivesse me ajudado a enfrentar os meus medos, me ensinado como ser mais forte e ajudado a desvendar minhas loucuras.


Quando penso no futuro, lembro um pouco de você, desejo a felicidade e o amor, mais do que tudo. Penso no quanto devemos lutar pelos nossos sonhos e desejo que você lute pelos seus. Queria ser um deles, mas acho que tudo bem se não for, se de alguma forma eu fizer parte dele, parte do seu futuro.


Talvez seja uma lembrança, uma saudade ou só parte de um passado. Talvez, seja até algo mais, porém isso só você irá dizer. Afinal, o que eu serei?

Por que eu gostei de você?



Eu gostei de você desde a primeira vez que eu te vi. Não gostei de você por causa da sua beleza,  da cor da sua pele ou do jeito engraçado como você meche no cabelo.  Gostei de você pela forma como me olha dentro dos olhos, pelo seu sorriso gigantesco e o jeito como conversa com as pessoas.

Gostei de você porque você é forte e ao mesmo tempo sensível. E não porque é charmosa e muda de cabelo praticamente todo bimestre. Gostei por causa do modo como é tímida e ao mesmo tempo engraçada, gostei de você porque está sempre disposta a servi o outro.

Gostei de você por causa do tom da sua voz e a forma como ela me acalma. Também por causa da sua intensidade e ousadia de lutar pelo que quer. Não gostei de você porque se parece fisicamente com a mulher que eu sempre desejei pra mim, e sim porque você me fez enxergar o melhor em mim.

Nunca me ensinaram a jogar


Está uma confusão aqui, ando meio que enjoada das coisas, das pessoas, dos mesmo lugares, da rotina. Fico pensando, sonhando e louca pra viver coisas incríveis a todo momento. Mas não vivo. Qual será o problema? Seria eu? Ando tão chata, sem graça, quieta. Mais do que o normal. Não, não estou de TPM ou algo do tipo, sou só eu sendo Ellis.

Às vezes fico assim, normal. Mas é que dessa vez está mais intenso, chega até a dar um certo medo (de mim mesma). Talvez seja só o estresse acumulado, tanta coisa aconteceu nesses últimos dias, que eu devo ter ficado assim. Sabe, queria poder sair de dentro de mim, me lavar por dentro, organizar tudo direitinho e só.

Que pena isso não poder acontecer.

Espero que a vida se ajeite, se organize sozinha, que ela se encontre. Sei lá, ela anda tão confusa e cheia de peças fora do quebra-cabeça, que em alguns momentos parece que eu estou jogando o jogo errado. Daí percebo que talvez o problema é que nunca me ensinaram a jogar. Não me falaram das regras. Eu fui aprendendo jogando, porém não entendi ainda todas as partes do jogo.

Espero ansiosamente para conhecer, para entender tudo que se passa aqui... e aí.
© Blog Flor de Lis | Ellis Olinto 2015 - Todos os Direitos Reservados